Bang, Bang! Você morreu

Publicado: 23 de maio de 2011 em Sem categoria

O filme traz para as telas um tema que vem preocupando a sociedade: Bullying. Mas o filme apresenta muito mais que cenas de adolescentes se desrespeitando fisica e moralmente. Ele nos possibilita ver os cotidianos dos corredores da escola e o desconhecimento dos professores diante desse espaço.

Trevor Adams é um aluno encarado pela escola como “aluno problemático” que tem um relacionamento complicado com os pais, professores e colegas de turma. Tudo começou quando o aluno foi vítima de uma brincadeira violenta do time de futebol americano da escola, sendo ele humilhado publicamente, ficou farto daquele tipo de perseguição, e então ameaçou ‘explodir’ o time  da escola. Sua ameaça, seu perfil isolado e ‘esquisito’ foi suficiente para fosse eliminado das relações sociais da comunidade, dentro e fora da escola. Nem mesmo seus pais puderam perceber o que acontecia. Somente o professor de Artes, Sr. Duncan, percebe o que acontece ao redor, pois caminha por onde os alunos caminham. Acreditando nisso, ele busca Trevor e oferece o papel principal de sua peça, mas sua peça tem um enredo sombrio que relata o diálogo de porquês de um adolescente com sua vítimas, a história de um rapaz semelhante ao Trevor que foi até o fim com sua ameaça.

Mas o aluno com uma câmera nas mãos começou a gravar e narrar a vida dos corredores de sua escola, apresentando em imagens e palavras o que se passava. E enquanto interagia com a construção da peça e do seu projeto, ele deu voz ao silêncio em que vivia. Um silêncio que o matava e que mataria outros.

Durante o filme começamos a refletir na invisibilidade e nos preconceitos que ensinamos nas salas, nas vezes que decidimos quem os sujeitos serão antes deles mesmos. Questionamos quem fala e quem escuta e de quantas guerras somos feitos. Nesta película percebemos mais uma vez que precisamos megulhar no cotidiano da escola, perceber que o que importa muitas vezes acontece nos corredores, e o que se passa na sala de aula pode representar pouco para o aluno que algumas vezes não vive, mas sobrevive aquele espaço. Um espaço que pode levá-lo a olhar o mundo e dizer: “Nunca, nunca mais terei perspectiva”. É um grito ao professor: é importante o que acontece aqui, é importante você sentir o mundo.

Veja uma cena do filme no youtube

Informações técnicas:

Bang, Bang! Você morreu

Título Original: Bang, Bang! You’re dead

Ano: 2002

Direção: Guy Ferland

Distribuição: Paramount

Anúncios
comentários
  1. alessandra castro disse:

    Achei o filme uma escola de vida , interessante devemos estar atentos a tudo , principalmente, os professores que conseguem ter uma vissaõ melhor dos alunos, e para nos alunos aprendermos a naô ficarmos calados diante da violêcia , começa assim brincadeiras maldosas e depois vira agreçao criminal diante da mente humana ..

  2. Lydia Wanderley disse:

    Esse é um filme que sempre me toca. Perceber a importância do professor se fazer presente nos diferentes espaços da escola – sentindo, tocando, alcançando os alunos – está presente ali… Aprendemos com Alves (2003) que somente começamos a entender o cotidiano escolar com lógica quando mergulhamos na realidade desse cotidiano. E percebemos nesse filme essa necessidade… Quando o professor pergunta ao aluno: Por que você não decide quem quer ser antes que decidam por você? … Fiquei pensando quantas vezes não decidimos por eles… E vocês? Qual destaque dão?

    Um abraço com muito carinho, Lydia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s